Saliva de cachorro transmite doença?

Atualmente, os cães fazem parte da vida de muitas pessoas, e costumam lamber quem eles gostam. Então, é comum que esse ato seja conhecido como “lambeijo”. Porém, será que a saliva de cachorro transmite doença?

Essa é uma dúvida que afeta muitos donos de pets. Contudo, para outros, elas são apenas demonstrações de carinho e afeto, e não devem ser temidas. 

Mas, qual realmente é o certo? Será que a saliva do cachorro pode transmitir doenças? Abaixo você conhece alguns mitos e verdades sobre o tema.

As lambidas de cachorro contêm muitos germes

É impossível ignorar o fato de que os cachorros carregam muitas bactérias na sua boca. Segundo estudos, essa parte do corpo do animal conta com uma média de 400 tipos diferentes de bactérias. 

Entretanto, isso não é exclusividade dos cães. Os humanos também contam com bactérias em sua saliva. Em geral, os números ficam entre 400 e 500, parecidos com os dos cachorros. 

Mas é aí que reside a diferença: as bactérias na boca dos cães são diferentes das dos humanos. É claro, existem algumas exceções, perto dos 15%. O problema é que o corpo humano não lida tão bem com bactérias desconhecidas.

Algumas bactérias presentes na saliva de cachorro são perigosas

Um ponto em comum é que as bactérias variam tanto para humanos quanto para os cães. Porém, a saliva de cachorro transmite doenças caso algumas bactérias estejam presentes. Elas são:

  • Meningite, pela bactéria Pasteurella multocida;
  • Septicemia, pela bactéria Capnocytaphaga caninorsus;
  • Salmonelose, pela bactéria Salmonella typhi.

Porém, um detalhe importante é que, além de nem sempre estarem presentes na boca dos cães, essas bactérias também podem não causar problemas. Isso porque a lambida na pele, em regiões protegidas, não costuma ser absorvida.

Mas, ainda assim é sempre bom manter o cuidado na hora de interagir com seu pet. Nunca se esqueça de que a saliva de cachorro pode transmitir doenças, então fique ligado. 

Cuidado com os olhos, boca e nariz

Essa é uma verdade que deve ser considerada sempre. Isso porque a pele protege o organismo humano. Então, ela faz justamente isso quando seu pet te lambe.

Mas, existem pontos do corpo que precisam de atenção redobrada. Essas áreas são as mucosas, que podem ser muito frágeis contra as bactérias por não terem queratina. 

Portanto, sempre que um cachorro lamber você, o ideal é impedir o contato com as mucosas. E não se esqueça de proteger feridas também, pois elas podem ser a porta de entrada das doenças. 

A saliva de cachorro ajuda na cicatrização de ferimentos

Você já deve ter ouvido a crendice popular de que a lambida dos cães pode curar ferimentos. Essa ideia era comum nos tempos antigos, como em Roma e na Grécia Antiga. 

E a saliva desses animais realmente contém moléculas antibacterianas. Outro ponto, é que estudos comprovaram a ação antimicrobiana da saliva ao contato com a pele do cachorro. 

Mas, como dito, isso é apenas para a pele do cachorro. Assim, a saliva do cachorro transmite doença sim se entrar em contato com machucados humanos. As chances são muito altas.

E, como visto acima, se a lambida for nas mucosas, o problema pode ser ainda maior. Existem casos de infecções muito graves por bactérias na boca dos cães que levam até ao coma profundo. Outros casos envolvem amputações e até morte. 

Dessa forma, nunca deixe seu cão lamber suas feridas. Evite isso ao máximo e tenha cuidado na hora de interagir com o cachorro, se estiver ferido. Outro ponto é sempre proteger as mucosas.

Afinal, a saliva de cachorro transmite doença e é perigosa?

Agora que você sabe que saliva de cachorro transmite doença, tenha cuidado. Elas podem ser raras, mas acontecem e de forma grave.

Mas, ainda é possível interagir com o cão se as lambidas estiverem na pele, e com cuidados básicos de higiene. Confira dicas para se proteger:

  • Não deixe que o cão lamba regiões de mucosas, como olhos, boca e nariz;
  • Nunca deixe uma ferida receber as lambidas;
  • Se isso ocorrer, lave bem a área com água e sabão;
  • Sempre lave muito bem as suas mãos após brincar com o pet;
  • Vacine e vermifugue seu cachorro, e leve-o ao veterinário ao menos a cada 12 meses.

Dessa forma, você e sua família estarão sempre protegidos das doenças que a saliva do cachorro pode causar.