Dermatite em Pets: Como tratar?

Você já percebeu alguma coceira insistente no seu animalzinho? É claro que eles se coçam com frequência, mas existem situações que podem afetar a saúde dele. Sendo assim, a dermatite em pets pode aparecer de maneira sorrateira, mas perigosa.

Ou seja, a coceira pode se tornar um problema. Isso ocorre quando ela acaba sendo muito frequente, e acaba atrapalhando o dia a dia do cão. Além disso, essa doença costuma deixar feridas na pele do animal, e ele fica desconfortável.

Em outros casos, mais graves, pode ser que a pele sofra descamação e o cão ainda perca pelos. Então, é fácil de notar que a dermatite em pets pode ser perigosa. Sendo assim, você deve procurar atendimento veterinário o quanto antes.

O que é a dermatite

Primeiramente, você deve ficar por dentro do que realmente é a dermatite. Dessa forma, ela pode ser toda e qualquer inflamação na pele do cachorro. Em geral, ela também é identificada por vermelhidão, feridas e descamação.

Porém, a dermatite em pets pode ser mais comum em algumas raças, do que outras. Além disso, são inúmeras as causas da doença, mas o desequilíbrio na atuação de fungos e bactérias é o maior motivo.

Sendo assim, é preciso saber como identificar essa doença o quanto antes, para que seja possível tratar o cão. Mas, é claro que existem algumas variações nos sintomas, dependendo do motivo da doença ter aparecido.

Sintomas da dermatite em pets

Muitos fatores influenciam nos sintomas da dermatite. Isso porque, além da causa, o estágio dela também pode fazer com que os sintomas mudem. Em todos os casos, o diagnóstico precoce é o melhor caminho.

E é por isso que você, como tutor, precisa estar ciente de quais podem ser os sintomas dessa doença. Assim será possível procurar o atendimento veterinário na hora certa. Com isso, o tratamento será mais eficiente. Os sintomas mais comuns são:

  • Coceira e descamação;
  • Queda de pelo, causando falhas localizadas ou generalizadas;
  • Vermelhidão na pele e surgimento de feridas com ou sem pus.

Em geral, a dermatite em pets tende a aparecer com poucos sintomas, ou ainda versões mais leves. Entre eles, estão a coceira e a descamação. Mas, em pouco tempo, as feridas começam a ficar mais graves e dolorosas, e até surge pus.

Porém, é claro que tudo varia de caso para caso. Sendo assim, a melhor saída é sempre procurar o atendimento veterinário o quanto antes. Assim que você perceber algo de diferente com seu pet, leve-o aos especialistas.

O que pode causar dermatite em pets?

São inúmeras as causas para a dermatite em pets. Entre elas, estão algumas doenças, como a síndrome de Cushing, que é um problema hormonal. Mas, a maioria dos pacientes acaba por desenvolver a dermatite após as alergias caninas.

Essas alergias podem incluir a dermatite alérgica por picada de pulga, mais conhecida como DAPP, além da atopia e da alergia alimentar. No entanto, a atopia ainda é um fator a ser estudado, mas sabe-se que envolve genética do animal.

Como é o tratamento da dermatite em pets?

Após o veterinário determinar a causa da dermatite em pets, será possível seguir para o tratamento. Mas, ele pode variar de acordo com o motivo e a gravidade da doença.

Em geral, esse tratamento envolve o uso de xampus para dermatite canina. Esses produtos são indicados pelo veterinário. Já para a dermatite vinda da alergia alimentar, o ideal é uma ração hipoalergênica.

Prevenção

Atualmente, a dermatite em pets é bem comum. Isso porque, em média, todos os cachorros irão passar por ela ao menos uma vez na vida. Porém, ainda assim é possível prevenir a coceira indesejada.

Para isso, o ideal é começar pelos antipulgas e outros parasitas. Além do mais, deve-se utilizar apenas produtos para cães nos banhos do animal. Por fim, a pele e os pelos devem ser bem secos.

A prevenção da dermatite em pets passa também pela casa ou local onde o cão fica. Isso porque será preciso realizar limpezas periódicas para garantir com que os ácaros fiquem longe do cachorro.

Por fim, uma alimentação balanceada pode ser a chave para evitar essa doença. Então, garanta uma alimentação saudável e balanceada para o cão, e não se esqueça de dar atenção para ele. A ida ao veterinário deve ocorrer, ao menos, uma vez a cada ano.