Castração é Indicada para Prevenir Câncer de Mama?

Atualmente, o número de tumores de mama em cadelas e gatas aumentou de maneira drástica. Isso ocorreu por vários motivos. O principal deles está na maior expectativa de vida desses animais. Mas será que a castração pode ajudar a prevenir o câncer de mama nos pets?

Em geral, essa doença aparece por ter relação com alguns fatores, como nutrição e dieta desbalanceada. Além disso, também é comum que a desinformação a respeito da castração seja um problema.

O tumor de mama atinge mais as cadelas do que as gatas, sendo mais diagnosticado após os 5 anos de idade. Porém, ele tem maior incidência após os 10 anos do animal. Os machos dessas espécies também são acometidos, só que de forma mais rara.

Os tumores de mama correspondem a cerca de 50% dos tumores em cadelas, e é o terceiro tipo de tumor mais encontrado em gatos. Eles são frequentemente detectados em animais de meia idade ou idade mais avançada.

Estudos indicam que gravidez psicológica e utilização de anticoncepcionais que injetam hormônios sintéticos estão diretamente relacionados com aparecimento de tumores malignos. Em geral, esses são os que provocam a metástase do câncer, agravando mais ainda a doença.

Dessa forma, a fonte do tumor em pets não tem origem única. Pelo contrário: vários fatores podem aumentar as chances de desenvolver a doença, como por exemplo os fatores hormonais.

VEJA MAIS: Onde Comprar Remédio Pet em Cotia

Castração é indicada para prevenir câncer de mama?

O tumor mamário tem prevenção. A castração nas fêmeas antes do primeiro cio, perto dos 5 meses de vida, por exemplo, pode diminuir bastante a possibilidade do desenvolvimento da doença.

A incidência de tumores na mama em animais que são castrados antes do primeiro cio é de 0,5%. Já em cadelas castradas após o primeiro cio, os dados aumentam para 8%. Após dois ou mais cios, essa taxa sobe drasticamente para 26%.

Além disso, estima-se que metade dos tumores que acometem as cadelas são malignos. Já em gatas, apesar da prevalência ser menor, cerca de 80% desses tumores são malignos.

Como é feito o diagnóstico?

A prevenção, assim como o diagnóstico precoce, é essencial para evitar a instalação dessa patologia. Assim, fica mais fácil aumentar as chances de cura nos animais afetados.

Quanto mais cedo for diagnosticada a doença, mais chances a fêmea tem de ser curada. Por esse motivo, a partir dos 5 anos de vida da cadela ou da gata, é preciso realizar periodicamente a palpação das mamas.

Qualquer tipo e tamanho de anomalia que for encontrado é motivo para levar a um médico veterinário de confiança para o diagnóstico correto. Serão feitos exames através de raio x, biópsia, exame de sangue, tomografia computadorizada, ultrassonografia e outros.

Tratamento

Assim que o problema é diagnosticado, o tratamento mais recomendado é a retirada por meio de cirurgia nas mamas. Esse tipo de operação pode ser em uma ou em toda cadeia mamária onde estão localizados os nódulos.

Então, é feita a retirada cirúrgica dos linfonodos que drenam a mama onde o tumor apareceu. Se houver comprovação de metástase, é indicado o tratamento quimioterápico como complemento da cirurgia já realizada.

É importante ouvir a opinião de um especialista na área antes de tomar qualquer decisão. Dentro da medicina veterinária, também existe o profissional especializado em tumor e câncer, que é o oncologista.

Chances de cura

Animais que são diagnosticados com tumor de mama precocemente têm mais chances de cura. Entretanto, a castração também é indicada para a prevenção do câncer de mama em pets fêmeas.

Sem a castração, o problema pode ocorrer com maior frequência. Quando há evidências de câncer em linfonodos regionais, o prognóstico é mais limitado, mas como possibilidades de tratamento e cura.

Se o tumor se houver metástase, quando o tumor se espalha para outros órgãos, o prognóstico é mais desfavorável. Nesses casos, ocorre um tratamento temporário para ajudar na qualidade de vida do animal.

Em gatas, a retirada cirúrgica do tumor de mama deve ser praticada de modo mais agressivo do que em cadelas. Isso porque o índice de recidiva, onde o tumor volta a crescer no local, é bastante alto.

Geralmente, as gatas precisam realizar o tratamento quimioterápico para complementar a cirurgia, já que existe a possibilidade de metástase. Isso ocorre principalmente no pulmão, algo comum na espécie.LEIA MAIS: Castração: Deixa Pets Mais Tranquilos?